segunda-feira, 24 de maio de 2010

Cinema Livre-Assim Caminha a Humanidade: um épico inesquecível sobre gerações



Assim Caminha a Humanidade: um épico inesquecível sobre gerações
Em 1956 o diretor George Stevens fez aquele que talvez seja o seu maior filme: Assim Caminha a Humanidade, cujo título original “Giant” (Gigante) faz jus à obra em todos os sentidos.

Com quase 3 horas e meia de duração, Stevens nos transporta para um épico familiar que atravessa décadas sob o sol do Texas, lidando com temas variados como a transição dos Estados Unidos de país essencialmente agropecuário para petrolífero e tocando sem medo na ferida do preconceito (assunto incomum para a época).

Um típico drama adulto que Hollywood parece ter se esquecido de fazer. Sangue Negro de Paul Thomas Anderson conseguiu isso recentemente, com uma temática semelhante, mas isso já é outro assunto.


Na história, Bick Benedict (Rock Hudson, excelente) é um barão do gado texano que se casa com Leslie (Elizabeth Taylor) depois de conhecê-la ao negociar a compra de um cavalo com seu pai, também fazendeiro.

Leslie abandona a vida tranqüila que levava e parte para viver com Bick no escaldante Texas, mas os problemas começam quando a irmã de Bick deixa uma parte da propriedade da família para um ex-empregado seu, Jett Rink (o magnífico James Dean, que rouba o filme e faz aqui a melhor interpretação de sua curta, porém brilhante carreira – o jovem ator morreu tragicamente em um acidente de carro logo depois de concluir sua participação no filme).

Jett descobre petróleo em sua parte das terras e fica imensamente rico da noite para o dia, porém sua vida pessoal bem como a vida das pessoas ao seu redor mudará para sempre.

Assim Caminha a Humanidade é um clássico absoluto do cinema, George Stevens levou o Oscar de melhor diretor merecidamente, demonstrando sua habilidade em conduzir grandes histórias dramáticas, com um arco de tempo longo e bem definido, não perdendo a mão em nenhum instante, o que é um grande feito, haja vista a magnitude e a complexidade da trama e dos personagens. Stevens era diretor de verdade, o cinemão americano corria por suas veias.


As atuações aqui são um show à parte, o elenco está incrivelmente bem, o entrosamento entre Rock Hudson e Liz Taylor é perfeito, Dennis Hopper como um dos filhos do casal aparece aqui bem novinho, mas já demonstrando todo o seu talento como ator.

E claro, a já citada participação magnífica de James Dean – destaque para a cena em que ele recebe uma proposta de conotações duvidosas de seu antigo patrão (Hudson), tentando negociar a parte da terra que lhe foi confiada. Os gestos simples, os olhares, a maneira de andar que Dean cria para o personagem são memoráveis e tornam Jett Rink real, palpável, provando que a atenção aos detalhes define um bom ator.

A bela fotografia de William C. Mellor explora bem os desertos do Texas e as cores que compõem aquele universo tão particular – basta observar a cena em que Jett descobre um poço de petróleo – é como se um quadro estivesse sendo pintado bem na sua frente.

A música do sempre preciso Dimitri Tiomkin (o mesmo compositor da inesquecível trilha de Matar ou Morrer) é igualmente bela e compõe o filme perfeitamente.

Mas é graças ao excelente roteiro de Fred Guiol e Ivan Moffat (baseado em um romance de Edna Ferber) que tudo flui de maneira tão grandiosa, as gerações vão se passando e tudo é colocado de forma cuidadosa pelo roteiro, de maneira que você acaba se sentindo parte da família Benedict.



Assim Caminha a Humanidade é um clássico obrigatório para qualquer fã da sétima arte ou para qualquer pessoa que apenas queira ver uma boa história. Indispensável.

Assim Caminha a Humanidade (Giant, 1956) – de George Stevens
Assista ao trailer: http://www.youtube.com/watch?v=kMG_ipol-MI

Gabriel Fonseca

5 comentários:

  1. Mais uma vez tive o prazer de ler a crítica sempre inteligente e ilustrativa de Gabriel Fonseca, que sem dúvida faz suas críticas com conhecimento de causa e principalmente com paixão pelo cinema e pelo que faz.

    Parabéns pelo trabalho.

    ResponderExcluir
  2. Este filme é formidável! Já vi algumas pessoas acusando ele de levar um velho padrão de pensamento hollywoodiano, e pensei que sim, isso pode ser verdade. É totalmente compreensível esta questão, mas não tira em nada os méritos do filme, afinal, é um retrato de um comportamento, de um estilo de vida, uma época com suas classes, é um retrato para ser analisado, e garanto que desta análise pode sair percepções próprias muito válidas. Um grande filme que leva conceitos interessantes, basta o espectador pensar no que está assistindo e pensar em como se relaciona com o que está assistindo. Bela indicação, bela lembrança, inteligente crítica. Parabéns, Gabriel Fonseca!

    ResponderExcluir
  3. Pô mano vc manda bem, parabéns pela critica, e quanto ao filme dispensa comentários.

    Valeu!

    ResponderExcluir
  4. É isso aí êsse filme é uma obra prima e a crítica é excelente, Gabriel Fonseca é fera.


    Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Eu não assisti esse filme ainda.

    A crítica é espetacular e sem dúvida conseguiu tocar minha curiosidade de assistir a esse clássico.
    O brigado Gabriel, pelo seu bom gosto e pela sua crítica indecifrável.

    ResponderExcluir

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...